O nosso futebol sempre foi referência, elogiado e respeitado em grande parte do mundo. Hoje perdemos a nossa própria identidade e não temos mais clubes, a nossa seleção não encanta e não amedronta mais, principalmente os europeus nossos maiores adversários. É muito triste para nós admiradores do futebolarte, extrovertido e criativo há anos não conseguirmos impor perante as potencias mundiais deste esporte. Perdemos a nossa hegemonia e pior,fomos humilhados no nosso próprio quintal pelos alemães.

O futebol brasileiro sempre respeitado, honrado e vitorioso, além do improviso, tinha craques virtuosos e isto perante as demais seleções e clubes do mundo era idílico. Em grande parte de nossas conquistas nossos talentos sobressaíam conseguindo aniquilar as táticas e esquemas coletivos bem ajustados de nossos adversários. Possuíamos um elo potencializado em todos os aspectos, fortalecendo o coletivo e tornando quase intransponível. Foram assim a maioria de nossas conquistas do escrete canarinho e de nossos clubes em grande parte do mundo.

As nossas seleções de base não conseguem se impor no nosso próprio continente nas últimas quatros edições do sul americano sub-20, que qualificam as quatro melhores para o Mundial da categoria, ficamos fora em três oportunidades. Vexatório! Estamos sendo superados por Venezuela e Equador. Inadmissível!

O nosso campeonato nacional considerado um dos mais disputados, visto, no início temos até oito equipes credenciadas a disputar o título diferente de muitos nacionais da Europa e a cada edição recebe uma enxurrada de estrangeiros sul americanos na sua maioria jogadores de segundo escalão, pois, os mais qualificados tem preferência do mercado europeu. Atualmente temos invasão de jogadores do Paraguai. Tá complicado!

Nossas joias despertam interesses de grandes clubes europeus e muitas vezes não chegam atuar por uma edição inteira do campeonato brasileiro, sendo negociados por valores astronômicos comparando com o nosso mercado. Imagino não estar muito distante esses clubes europeus, que começaram a infiltrarem em nosso país observando jovens talentos em outros clubes, que têm repassado por os considerados grande de nosso país. Aí será um caos total! No meu ponto de vista não está difícil de ocorrer,pois escolinhas de futebol grande parte destes clubes possuem em nosso país. Vai acabar com a mamata de muita gente que tem usufruído deste benefício. 
Como em nosso país tudo copia e pouco se cria, tem sido assim em regulamentos de campeonatos, exposição na camisa do clube,escudo alusivo ao do título estadual, nacional ou da Copa do Brasil. No continente não é diferente, neste ano teremos final única da Libertadores e da Copa Sul Americana. 

Voltando ao nosso futebol quase tudo se copia a nova tendência é seguir as premissas dos mercados emergentes,principalmente do chinês e do mercado menos expressivo no mundo da bola o japonês, árabe e norte-americano. Nossos clubes têm repatriado ex-jogadores caso específicos de Hernanes, Diego Tardeli, Daniel Alves, Ramires, Rafinha, Felipe Luiz, Luiz Adriano e a contratação do espanhol Juanfran e cogitam Mario Balotelli no Flamengo e até mesmo Ribery em um clube sul americano! Na Argentina não tem sido diferente,o Boca Juniors trouxe Daniele de Rossi da Roma, enquanto Cesc Fábregas revelou o desejo de disputar a Libertadores. Acho que não irá parar por aí provavelmente deveremos ter mais novidades. 

Nem sempre este tipo de contratação tem trazido êxito para as equipes vale destacar as duas conquistas de David Beckham da MLS pelos Los Angeles Galaxy, Ronaldinho Gaúcho foi decisivo e contribuiu na conquista da Libertadores para o Atlético-MG, Ronaldo Fenômeno foi essencial para a reconstrução do Corinthians e Zé Roberto foi importante para o elenco nas conquistas da Copa do Brasil e Brasileirão pelo Palmeiras.

Está mais para o fim do poço! Não vejo com bons olhos essa nova tendência do mercado sul americano estamos deixando de fortalecer nossas equipes com jogadoresrevelados e com destaques na base dos próprios clubes com o intuito de melhor prepará-los, para futuramente ter até mais oportunidades em grandes clubes europeus. Estamos na contra mão? Podeaté dar certo mas sou cético! 
Estes atletas poderão até serem útil em grandes conquistas, mas jamais serão a solução para nossos clubes. Embora possam até servir de autoestima para o nosso futebol, só isso!

Aguardar para ver as cenas dos próximos capítulos do nosso tumultuado e desesperado mercado de negociações. 

Gil Cipriano
O futebol jogado em todo lugar, de Fernandópolis até a Europa