É com imenso prazer que dedico esta coluna, ao maior ídolo de todos os tempos do esporte nacional, Ayrton Senna. Neste sábado, dia 21 de março, faz 60 anos que nasceu Senna, na capital em São Paulo. Este piloto paulista de tanta capacidade técnica e agressividade para se pilotar, conseguiu ser o maior ídolo do Brasil, de um país que se tem o Pelé, o melhor jogador de futebol de todos os tempos e que é o esporte mais popular do mundo e do nosso país. Como dimensionar o tamanho do Senna no coração do brasileiro? Não tem como, talvez as duas vitórias em 91 e 93 no GP Brasil em Interlagos possam dar uma noção do carinho do nosso povo com Ayrton, ou mesmo o velório, a comoção e o choque na população naquele fatídico e inesquecível 1 de maio de 1994. Mas dimensionar com exatidão, nada jamais conseguirá, nem mesmo a saudade de Senna, o nosso eterno tricampeão mundial de F-1 em 88,90 e 91.

Ayrton Senna era um piloto diferenciado dos demais, suas 41 vitórias,80 pódios e 65 poles, o seu arrojo quase que irresponsável, a sua impaciência ao perder tempo com retardatários, a sua extrema competividade, mostrava que ele só buscava a vitória e não aceitava nada além disso. Por isso perdeu corridas simbólicas como o GP de Mônaco em 1988 quando estava mais de 50 segundos na frente do seu eterno adversário e rival Alan Prost e bateu e o francês venceu a corrida, ou o erro quando liderava o GP da Inglaterra em 1989 que foi um dos vários fatores que lhe custou o título daquele ano, o GP Brasil de 1990 quando liderando a corrida Senna poderia ter conquistado a sua primeira vitória no Brasil, que viria no ano seguinte, mas bateu no retardatário Nakajima e depois em uma corrida de recuperação chegou em 3 lugar, no mesmo GP do Brasil em 1994 Ayrton forçou demais para alcançar o futuro heptacampeão Schumacher e acabou rodando e perdendo o segundo lugar e não fazendo nenhum ponto, o que prova que Senna errava também, era arrojado ao extremo, era humano.

O arrojo de Senna que o fez perder tantas corridas e posições, trouxeram muito mais ultrapassagens, vitórias e fatos marcantes, Senna é considerado pela mídia especializada até os dias atuais o melhor piloto de todos os tempos, por este que escreve essa coluna também, nomes como Hamilton e Alonso, dois grandes pilotos dos últimos tempos falam que ele é o eterno número 1, mesmo o multi-campeão Schumacher com quem Senna competiu e é o piloto mais vitorioso da F-1 com 91 vitórias e 7 títulos e postulante também a ser o melhor de todos, sempre falou que o Senna é o melhor piloto de todos os tempos, Senna é o numero 1 dos números 1 de cada geração, como diz a frase, Senna é Senna. Fittipaldi abriu o caminho para o Brasil na F-1, Piquet consolidou e Senna aperfeiçoou.

As incríveis poles com a Lotus, as inúmeras vezes que Senna saia no final do treino para bater o rival Prost ou mesmo abaixar o próprio tempo se tornaram marcas dele. As vitórias no GP do Japão em 88 que o deu o 1 título, em que largou na pole caiu para 17 e recuperou a liderança na 28 volta e deu um show na pista, os históricos GP do Brasil de 91 em que Senna terminou só com a sexta marcha e 93 em que Senna venceu as 2 corridas no nosso país comemorando com a torcida e claro sempre com a bandeira nacional erguida de dentro do carro. O Inesquecível 2 lugar no GP Mônaco em 1984, a vitória no mesmo GP em 1989 quando compensando 88, colocou mais de 50 segundos de diferença em Prost e venceu a corrida. A incrível 1 volta e vitória em 93 em Donington Park, conhecida como a primeira volta de Senna, sendo a volta perfeita de um piloto.

Para se ter noção do tamanho da idolatria, Senna tornou uma simples corrida algo inesquecível quando venceu o GP em Detroit em 86 no dia em que o Brasil foi eliminado pela França na Copa do Mundo, sendo a quarta copa seguida que o Brasil era eliminado, em 94 quando o Brasil finalmente se sagrou tetracampeão Senna foi homenageado pela seleção brasileira com uma faixa que ambos buscavam o tetracampeonato naquele ano, voltando para 1986 foi justamente contra um francês no seu auge, o excepcional piloto futuro tetracampeão Prost, Senna venceu a corrida com a inferior equipe Lotus e ergueu a bandeira do Brasil, dando um sentimento de pequena vingança contra a França naquele triste dia. Por falar em dia triste, aquele 1 de maio foi trágico, todo o fim de semana foi triste, com a batida forte de Rubinho na sexta, a morte de Ratzenberger no sábado e a morte de Senna no domingo quando liderava o GP de ímola em 94, o maior ídolo do esporte no Brasil morreu fazendo o que mais gostava que era pilotar e morreu no seu lugar eterno, o primeiro lugar. A 60 anos nascia Senna, faz mais de 25 anos em que ele morreu, tempo que fizeram muitos pilotos passarem Senna nos números e o futuro farão com que os números de Senna fiquem cada vez mais longe dos dianteiros por vários fatores, mas pilotar igual ao Senna, ninguém jamais conseguiu, vencer uma corrida, um título, pegar a bandeira do seu país e erguer pro alto e ter a habilidade para pilotar do jeito que o Senna fazia, isso só ele, Senna é Senna,no dia 21 de março de 1960 nascia o maior ídolo da história do Brasil, o saudoso Senna, as vezes parece que foi ontem o trágico acidente, o 1 de maio de 1994, o tempo voou e passou rápido, quase tão rápido quanto o nosso eterno ídolo Ayrton Senna.

Cláudio Neto
O espaço de todos os esportes